Projeto desenvolvido na PUC facilita mobilidade de cadeirantes


Uma cadeira de rodas motorizada que pode ser controlada a distância pelo próprio usuário é a mais nova criação tecnológica de um grupo de jovens estudantes mineiros. O projeto, em desenvolvimento no curso de engenharia eletrônica e de telecomunicação da PUC Minas, pretende facilitar a vida de pessoas com necessidades especiais. Toda a pesquisa vem sendo desenvolvida há cerca de um ano pelos alunos do último período do curso Bruno Araújo, Cristian de Souza, Elisângela de Souza, Marcus Vinícius Zaza e Vinícius Lopes da Silva, tendo como orientador o professor Mário Buratto.

“Nosso trabalho nasceu da iniciativa de uma usuária de cadeira de rodas motorizada. Ela dirige veículos automotores e está sempre em busca de maior independência, mas convive com a constante necessidade de contar com a ajuda de alguém para entrar e sair do carro. Levantou um dia essa questão com o professor Mário Buratto, que então apresentou ao nosso grupo o desafio de construir um controle remoto para ativar funções da cadeira”, conta Elisângela. Desafio aceito, os jovens alunos tiveram dois períodos na faculdade para desenvolver o projeto. “Com base em estudos de mercado sobre o funcionamento de cadeiras de rodas motorizadas e as necessidades dos usuários desse tipo de produto, surgiu um protótipo de dispositivo capaz de permitir o controle remoto a distância da cadeira: a Interface Spadam”, explica.

A primeira fase do projeto consistiu em levantar requisitos e benefícios que esse tipo de controle poderia trazer, e como seria implantado. Essa etapa foi finalizada com o escopo definido e com a ideia de criarem um aplicativo para tablet ou smartphone com sistema operacional Android e um hardware para simular o controle da cadeira, sendo que o aplicativo acionaria o hardware. “Pensamos na necessidade de instalar diversos sensores na cadeira, para que pudéssemos ser avisados sobre a distância dos obstáculos, evitando colisões, além de uma câmera à frente do assento, como se fosse a visão frontal de uma pessoa sentada”, explica Bruno Araújo, ressaltando que, como benefício, o usuário poderia pôr e retirar sua cadeira de um veículo usando apenas um celular ou um tablet.

O grupo comprou, então, nos Estados Unidos, um controle para estudar seu funcionamento. “O controle era totalmente codificado e nem usando os mais avançados equipamentos eletrônicos disponíveis nos laboratórios da PUC conseguimos decodificá-lo. Concluímos que ele usava um protocolo próprio de comunicação e que não conseguiríamos enviar à central da cadeira a mesma sequência de dados que o dispositivo geraria durante os movimentos. Descobrimos que a cada movimento do controle da cadeira, determinados valores de tensão eram gerados. Diante disso, criamos um hardware que gerava os valores de tensão, que eram enviados à central do controle, permitindo, assim, o movimento da cadeira”, relata Bruno.

A partir daí, o grupo foi dividido por funções: Elisângela cuidou do hardware que gerava valores de tensão, que seriam enviados pelo controle; Cristian de Souza e Vinícius Lopes analisaram os tipos de sensores no mercado e concluíram que, para o caso, os do tipo ultrassom seriam os mais adequados. Bruno e Marcus Vinícius Zaza, com ajuda do orientador, desenvolveram a página web que, por meio do tablet ou smartphone, enviaria para a cadeira o sinal que é recebido pelo hardware e que gera o valor de tensão, de acordo com o que seria clicado na tela do equipamento.

“Dispensamos a ideia de desenvolver a ferramenta para Android e simplificamos o processo criando uma página em código HTML”, conta Bruno, explicando que essa página tem cinco botões para acionamento: Frente, Trás, Direita, Esquerda e Parar. Abaixo de cada um dos botões, encontra-se a leitura dos sensores da cadeira, com indicação da distância (em centímetros) dos obstáculos e as imagens produzidas pela câmera. “Os equipamentos usados foram o Raspberry, um computador do tamanho de um cartão de crédito, uma placa Arduíno, sete sensores ultrassônicos e uma buzina”, acrescenta.

O Raspberry gera o sinal wi-fi, que, usando um servidor web, hospeda a página, que, acessada pelo dispositivo móvel, identifica e conecta-se à rede Spadam. A página é carregada com os botões e o Arduíno recebe os comandos, que entram pelo Raspberry via rede sem fio, e os envia para o hardware, que converte as informações para um valor de tensão que depende da velocidade ajustada no controle da cadeira. Os sensores – três na frente, dois de cada lado e um traseiro – calculam a distância dos obstáculos e exibem as informações na tela. “O usuário decide, então, como quer operar a cadeira: via controle original ou pelo dispositivo portátil”, explica Bruno.

Carro

“Creio estarmos criando um produto muito útil para pessoas com necessidades especiais”, acentua Elisângela, complementando que com esse protótipo o usuário vai poder realizar tarefas diárias com maior autonomia, como ir e vir em um automóvel, sem se preocupar com ajuda para pôr e retirar a cadeira do carro.
Autor: Silas Scalioni

Comentários

Mais vistas da semana

Busca do Google para Android agora encontra dados "escondidos" em apps

Google libera para desenvolvedores nova ferramenta de linguagem natural

LibreCAD uma alternativa CAD 2D livre

Líderes mostram porque os dados são o novo petróleo

IBM investirá US$ 1 bilhão no software Linux